5 fintechs brasileiras que devem virar empresas unicórnios em breve

Atualizado em 10 de jul de 2020
Anúncios

Você já ouviu o termo “empresa unicórnio”. Bem comum nesse meio empresarial, são aquelas startups de tecnologia que conseguiram a proeza de serem avaliadas em mais de US$ 1 bilhão em valor de mercado. O Nubank, por exemplo, é uma das empresas que já chegaram até esse patamar, porém, saiba que existem muitas outras.

Você provavelmente já usou o Uber, o Airbnb ou mesmo o Pinterest, certo? As três empresas são bem conhecidas do grande público e geraram uma verdadeira revolução em seus respectivos setores, e todas elas também são consideradas startups unicórnios.

No mundo do empreendedorismo digital, a empresa unicórnio simboliza um grande feito. Pense em como isso é grande: chegar a ser avaliada acima do 1 bilhão de dólares antes que o seu capital seja aberto na bolsa de valores.

Sonho de muitos entusiastas desse meio, a startup unicórnio é aquela que consegue arrecadar essa imensa quantia de capital antes de vender suas ações ao público, ou seja, antes de se tornar uma IPO como chamam nesse meio, ou Initial Public Offering, em português, Oferta Pública Inicial – OPI.

Se você ficou curioso em saber quais são as próximas empresas brasileiras que podem chegar ao invejável patamar das empresas unicórnios, ao longo deste texto você irá conhecer diversas delas que em breve chegarão ao 1 bilhão.

Dado isso, siga com a sua leitura e venha conhecer!

Anúncios

O que é uma Fintech?

Antes de tudo, precisamos entender melhor a definição do termo fintech. Cada vez mais ele se torna popular e tem tudo a ver com a época que vivemos.

Muita gente usa os serviços oferecidos pelas fintechs, mesmo que não saibam o que de fato esse termo significa. Basicamente, se tratam das empresas que atuam na área de serviços financeiros, possuindo processos completamente baseados em tecnologia.

Leia também:
Tudo o que você precisa saber sobre a nota de R$ 200

A própria etimologia da palavra já indica a sua essência e significado.O termo fintech é um derivativo de outras duas palavras: financial (financeiro) e technology (tecnologia).

Porém, engana-se quem acredita que esses serviços inovadores e revolucionários no campo da tecnologia se resumem apenas aos bancos digitais.

Mesmo que esses também possam ser considerados fintechs, essas empresas podem oferecer diferentes produtos e serviços entre si, não há algo específico para poder ser considerado uma fintech.

As fintechs nacionais que devem se tornam capricórnios

As informações que você lerá a seguir, são retiradas do estudo realizado pela Tracxn, que se trata de uma das maiores plataformas do mundo a rastrear startups, empresas privadas e setores inovadores emergentes.

Para conseguir chegar até este resultado, a Tracxn realizou toda uma análise em relação ao porte e atuação dessas fintechs, considerando o seu tamanho, os investimentos, excelência na execução dos seus projetos e perspectivas de crescimento.

 

Então, deixemos de conversa e vamos agora descobrir quais são as empresas nacionais que devem se tornar capricórnios nos próximos anos, atingindo a surpreende marca de US$ 1 bilhão em valor de mercado.

1- GuiaBolso

Essa também é uma startup que entra na lista das possíveis empresas que se tornarão capricórnio no mercado, e isso não deve demorar muito.

Caso você ainda não conheça, o GuiaBolso é um aplicativo dedicado ao controle das finanças, ajudando os seus usuários a ter um melhor controle do seu orçamento, com uma interface bem moderna e intuitiva.

É um ótimo aplicativo para acompanhar a sua evolução patrimonial e do seu saldo atual, categorizando despesas e criando gráficos de desempenho.

Seu lançamento ocorreu oficialmente em 2014 e já recebeu um aporte de R$ 125 milhões em sua quinta rodada de investimentos, que acabou envolvendo seis diferentes fundos: Endeavor Catalyst, IFC, Ribbit Capital, Vostok Emerging Finance, QED Investors e Omidyar Network.

Leia também:
CDB é seguro? Como investir? É melhor que a Poupança? Entenda

Atualmente, a empresa conta com mais de R$ 3,8 milhões de usuários e R$ 215 milhões em investimento captado ao todo.

2- ContaAzul

A ContaAzul é uma fintech recente, tendo sido fundada em 2011, que oferece ao seus usuários uma plataforma hospedada em nuvem que facilita a organização e gerência das pequenas empresas.

Em 2018, a empresa anunciou a captação de uma rodada de investimentos que chegou próximo aos R$ 100 milhões, tendo sido liderada pela gigante Tiger Global Management, companhia sediada em Nova York.

3- Creditas

A Creditas é uma empresa que tem ganhado muita popularidade nos últimos anos no Brasil, sendo uma plataforma online de concessão de crédito com garantia.

Sua criação remete ao ano de 2012, e o objetivo dela é oferece juros baixos para os consumidores brasileiros, começando em 0,99% ao mês.

No ano de 2019, a fintech anunciou uma rodada de investimentos série D, no montante dos R$ 900 milhões liberados pelo grupo japonês SoftBank.

4- WEEL

A Weel também é outra possível fintech brasileira que nos próximos anos deve bater marca de R$ 1 bilhão em valor de mercado, sendo uma empresa unicórnio.

Criada em 2015 em Tel Aviv, o negócio opera nos dois países, possuindo escritórios tanto no Brasil, como em Israel. Basicamente, a empresa utiliza de inteligência artificial para otimizar o fluxo de caixa de pequenas e médias empresas do país.

Recentemente, a fintech recebeu uma rodada de investimento Série B de R$ 80 milhões, que também foi liderada pelo Banco BV. Além desse grande aporte, o BV também ampliou a disponibilidade de funding em até R$ 800 milhões para a Weel permanecer concedendo créditos para os pequenos e médios empreendimentos.

Leia também:
Em parceria com Facebook, Visa lança pagamentos via WhatsApp

5- Neon

Já muito popular no país, a Neon é uma fintech que atua no meio digital, oferecendo conta para pagamentos, cartão de crédito e débito e oferecendo opções de investimento mesmo que o usuário não tenha saldo.

Criada no ano de 2016, apenas três anos depois já tinha finalizado uma rodada de captação de investimentos de R$ 400 milhões, tendo sido liderada pela gestora General Atlantic e também pelo Banco BV, antigo Banco Votorantim.

Enfim, há inúmeras iniciativas que estão tendo alto sucesso no Brasil. Além dessas que foram citadas ao longo do texto, existem outras milhares em fase embrionária, porém, com grande potencial de crescimento. Vale a pena ficar de olho.

 

Anúncios

Pablo Januario