Fundos de investimentos: o que são? Como investir? É seguro?

Atualizado em 26 de jun de 2020

Cada vez mais se fala nos fundos de investimentos, e com isso, muitas pessoas estão se sentindo atraídas por essa oportunidade de fazer o seu dinheiro render, saindo da poupança e buscando por uma alternativa mais atrativa e rentável.

Com os fundos de investimento, você acesso a um portfólio amplo de diversos ativos, além de ter a comodidade de contar com um profissional qualificado para realizar a gestão do seu investimento.

E como estamos falando de fundos, a tendência é que os seus custos sejam mais baixos, já que são divididos entre cada um dos cotistas. Além disso, os custos de operação são mais baixos que os necessários para montar uma carteira individual.

Porém, mesmo com todas essas facilidades e benefícios, antes de começar a investir você precisa entender mais a fundo sobre como funciona essa aplicação e como pode escolher as melhores opções para o seu dinheiro.

Para te ajudar nessa, o artigo que você lerá abaixo conta com todas as principais informações sobre os fundos de investimento. Siga lendo e confira!

O que são Fundos de Investimentos?

Um fundo de investimento é formado por uma carteira de ativos financeiros, sendo oferecido por administradoras que disponibilizam cotas para captação de recursos.

Para entender melhor essa lógica, imagine ele como um condomínio, onde cada morador adquire o seu apartamento (nesse caso, as cotas) e paga mensalmente para que haja a sua administração, seguindo algumas regras previamente estabelecidas.

Num fundo, existem taxas para que a gestão tome decisões relacionadas aos ativos da carteira, como realizar novas aquisições ou vendas.

A regulamentação desse investimento é realizada pela CVM e pela ANBIMA, órgãos responsáveis pela classificação e fiscalização de todas as atividades.

Leia também:
C6 Bank: isenção de anuidade do cartão conforme gasto mensal

Fundo de Investimento: como investir?

Como dizem alguns especialistas, os fundos são uma forma simples de fazer investimentos complexos.

Ele é simples, pois você não precisa ser um perito em renda fixa ou variável para conseguir fazer investimentos. Porém, os gestores dos fundos têm uma grande experiência nas estratégias avançadas de investimentos.

Ou seja, é uma ótima forma de diversificar uma carteira de investimento em pouco tempo.

Além de ser relativamente complicado replicar essas estratégias individualmente, fazer isso sozinho exigiria uma quantidade ampla de capital para colocá-las em prática.

Num fundo de investimento, você pode começar com quantias mínimas que são bem baixas, geralmente iniciando em R$ 500.

O que é a cota?

Em um fundo, a cota é a sua menor parte. Quando o investidor coloca capital em um fundo, ele está adquirindo cotas.

O patrimônio total dele é a soma das cotas distribuídas, ou seja, todas possuem o mesmo valor. A soma de todas é o todo do patrimônio de um fundo.

Vale mencionar também, que as taxas cobradas são devidamente proporcionadas à sua porção dentro do fundo. O valor delas tende a mudar diariamente, de acordo com a performance do fundo.

O número de cotas sempre é o mesmo, apenas diminuindo na ocorrência do famoso “come-cotas”.

Tipos de Fundo de Investimentos

Como dito no início do texto, há diversas opções de carteira para investir.

Os fundos de investimento têm a sua classificação de acordo com a composição da sua carteira, com o objetivo de rentabilidade e prazo de aplicação.

Então, antes de sair investindo, confira quais os tipos e qual deles mais se encaixa com os seus objetivos.

Leia também:
Tesouro Direto x taxa Selic: Ainda vale a pena?

Fundos de ações

Os fundos de investimento em ações direcionam quase 70% dos seus investimentos em ações na bolsa. Desse modo, a sua rentabilidade dependerá da valorização dos papéis.

Dentro dessa lógica, eles podem ser classificados como:

  • Fundos passivos: onde as ações são alocadas de modo a ter rendimentos atrelados à um índice, como o Ibovespa.
  • Fundos ativos: onde a composição da carteira é organizada com base em análises macroeconômicas.

Fundos de Renda Fixa

Os fundos de renda fixa direcionam 80% do seu dinheiro para ativos de renda fixa prefixada ou pós-fixados

Os 20% restantes dos investimentos são alocados em derivativos. Isso é feito para aumentar a rentabilidade, que normalmente segue o CDI.

Os fundos de renda fixa são indicados para os investidores de perfil conservador, principalmente para aqueles que estão em busca de bons rendimentos, mas que, ao mesmo tempo, não ofereçam grandes riscos.

Fundos de Curto Prazo

Já os fundos de curto prazo, são um tipo para quem está em busca de acompanhar as variações da taxa de juros, num investimento exclusivamente em títulos públicos prefixados ou então títulos privados de baixo risco.

Geralmente, a rentabilidade destes fundos está atrelada à taxa Selic ou CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Esse tipo de fundo de investimento é considerado conservador e de baixíssimo risco.

Fundos Cambiais

São fundos compostos por investimentos feitos na moeda estrangeira, como em títulos públicos de outros países.

Fundos Multimercado

Os fundos multimercado são compostos por ativos de renda fixa e também variável, e neste caso, o gestor tem em mãos um gama de investimentos maior do que as outras categorias mencionadas. É o tipo de aplicação ideal para quem busca boa rentabilidade e com riscos menores.

Leia também:
Empréstimo consignado: como quitar de forma antecipada?

Fundos da Dívida Externa

Esses são fundos que direcionam, no mínimo, 80% do investimento para títulos da dívida externa da União.

Fundos Imobiliários

Por fim, temos os fundos imobiliários, que como o nome já sugere, são investimentos feitos no setor imobiliário.

Quando você faz uma aplicação no setor imobiliário por meio dos ativos desse fundo, é como se você possuísse pequenas partes em imóveis.

A gestão deles são feitas por profissionais especializados, e conforme ocorrem os resultados, alocações são feitas mirando uma maior rentabilidade.

Os fundos de investimento são seguros?

Como esse investimento é regulamento, é sim uma opção segura para a sua carteira. Antes de entrarem no mercado, os fundos precisam ter registro na CVM, ou seja, verifique se o fundo que você tem interesse está registrado no site do órgão.

Assim com qualquer outro tipo de investimento, o ideal é sempre buscar instituições confiáveis e que tem uma boa reputação no mercado, isso evitará possíveis problemas.

 

 

Pablo Januario