O que é hipoteca? Veja como ela pode te ajudar a conseguir crédito

Atualizado em 1 de jun de 2020

Você está buscando uma forma de financiamento que se encaixe bem em suas condições financeiras? Caso sua resposta tenha sim, esse é o lugar ideal para você. No texto que você lerá a seguir, abordaremos mais informações úteis para que você tome a melhor decisão e escolha a melhor forma de empréstimo. Siga com a sua leitura e confira!

Hipoteca de imóvel: o que é?

Procurando novas formas de se estabelecer financeiramente, reformar a casa, pagar dívidas ou mesmo atrás de fundos de investimento para um novo negócio, nós nos deparamos com imensas possibilidades no mercado de crédito.

Dentre essas formas que são oferecidas, uma das mais seguras é o refinanciamento de imóvel, que se encaixa na categoria de hipoteca. Você sabe do que se trata?

Bom, muito popular nos Estados Unidos, a hipoteca aos poucos vem caindo em esquecimento e desuso no Brasil. Se falarmos em termos práticos, ela nada mais é que uma linha de crédito em que a pessoa dá o seu imóvel como garantia de um empréstimo. Ou seja, o solicitante oferece a sua casa à instituição financeira credora, como uma forma de garantia do pagamento das parcelas. Com isso, consegue-se taxas de juros mais baixas e prazos de pagamentos mais longos.

Isso acontece pois, ao fazer essa operação, a instituição de crédito entende que você é um cliente que oferece menos riscos de inadimplência, podendo assim, lhe oferecer crédito em melhores condições.

Porém, existem uma série de barreiras legais na hipoteca, essas que por vezes dificultam a realização da mesma e a torna pouco atraente para as empresas de crédito. É sobre isso que trataremos mais abaixo.

Leia também:
Perdeu o prazo da declaração do IR 2020? Veja a solução

Além de abordarmos informações cruciais sobre o refinanciamento de imóvel, você também conhecerá opções bem vantajosas de crédito, com custos mais baixos inclusive.

Hipoteca: como funciona?

Assim como já tratamos acima, a hipoteca é basicamente um empréstimo com garantia. Nessa modalidade de crédito, o imóvel fica como “penhor” das parcelas, o que possibilita a prática de taxas mais atraentes, já que garante o pagamento da dívida da forma correta. E se por acaso as obrigações não são devidamente cumpridas como se deve, a instituição financeira pode tomar o imóvel hipotecado, vendendo ou leiloando-o futuramente para arcar com os custos do empréstimo que não foi pago.

Um dos maiores problemas ligados à hipoteca imobiliária no Brasil, é justamente que ele envolve ações no Poder Judiciário. O procedimento padrão que é realizado é que o imóvel permaneça no nome do dono original durante toda a operação. Porém, esse fato dificulta muito que o banco possa tomar o imóvel, caso não aconteça o pagamento da dívida em questão.

E isso não favorece em nada o pagamento das parcelas.

É importante ressaltar que, ainda que o imóvel esteja em nome do dono original, com o contrato assinado por ambas as partes há a permissão de que a instituição financeira possa tomar posse do imóvel em caso de inadimplência. Todo o registro da hipoteca é feito na matrícula do imóvel, permanecendo o nome do solicitante aos casos judiciais.

Quais linhas de crédito podem substituir a hipoteca?

A hipoteca não é a única linha de crédito existente nessa categoria. Para além dela, também existe a modalidade de refinanciamento de imóveis ou empréstimo com imóvel em garantia.

Basicamente, se trata do mesmo tipo de empréstimo, e muitas vezes o empréstimo com garantia é confundido com a hipoteca, mesmo sendo operações que possuem diferenças cruciais, que torna assim, o refinanciamento muito mais vantajoso e simples para quem está em busca de crédito.

Leia também:
C6 Bank: isenção de anuidade do cartão conforme gasto mensal

Na modalidade de refinanciamento, o bem em questão passa para o nome da instituição que está concedendo o crédito durante a operação, por meio de um contrato. Isso se chama “alienação fiduciária”. Ao chegar ao fim da quitação do empréstimo, o imóvel volta para o nome do dono original.

Se por acaso a dívida não é paga, a instituição financeira consegue tomar o bem de forma bem mais simples. Dessa forma, toda a operação fica muito mais lucrativa e com taxas ainda mais baixas. É um benefício ao credor, que tem mais segurança para oferecer o crédito, quanto também para o contratante, que tem taxas mais baratas que a hipoteca ao conseguir seu empréstimo.

Hipoteca e alienação fiduciária: qual a diferença?

Basicamente, a alienação fiduciária é feita na transferência da propriedade para a instituição de crédito, coisa que não afeta em nada o dia a dia de quem contratou o crédito, pois ele poderá continuar usufruindo normalmente de seu imóvel.

Simplificando, você continua morando em sua casa, apartamento ou mesmo utilizando o seu ponto comercial. Tanto na hipoteca, quanto na alienação fiduciária, ocorre a tomada do imóvel em caso de inadimplência, porém, na modalidade da alienação, a instituição financeira tem um pouco mais de segurança, podendo assim, oferecer juros menores ao contratante.

Em caso de quitação correta, não há qualquer prejuízo para as partes. Em síntese, na alienação fiduciária tudo é feito por meios extra-judiciais, mas com a mesma segurança para você. É utilizado apenas o Cartório de Registro de Imóveis nesta modalidade, sem o envolvimento direto do poder judiciário.

Empréstimo com garantia: uma opção muito atraente

Se interessou sobre o empréstimo com garantia? Então saiba que ele pode ser bem atraente para o seu orçamento.

Leia também:
Queda da taxa Selic: o que acontece com a renda fixa?

Nessa modalidade, geralmente são oferecidos empréstimos que vão desde os R$ 30 mil, até mesmo valores acima da casa dos milhões de reais, e quanto mais alto o valor solicitado, maior também são os prazos de pagamento, que costumam variar entre 60 e 240 meses para pagamento (5 a 20 anos).

As taxas de juros incluídas nesse empréstimo com garantia de imóvel ficam em torno de 1,25% ao mês. Ou seja, as taxas são bem mais acessíveis que outros tipos de linhas de crédito. Enfim, como você deve saber, o número de modos de crédito disponíveis no mercado é bem grande, porém, nem todos são tão atrativos assim.

Dado isso, cabe a você pesquisar muito e colocar tudo na ponta do papel, para assim escolher a melhor modalidade para o seu bolso!

Leo Caprara