Para transferir com o Pix, é necessário que a outra pessoa também tenha um Pix?

Atualizado em 11 de fev de 2021
Anúncios

Sem dúvidas, o Pix foi a grande novidade no meio das transações financeiras em 2020. O novo meio de pagamento instantâneo do Banco Central do Brasil chegou com a pretensão de facilitar – e muito – a vida das pessoas.

Com a nova ferramenta, é possível realizar pagamentos e transferências ilimitadas e a qualquer hora do dia, e tudo isso sendo feito em alguns poucos segundos.

O Pix é a maneira mais rápida, prática e segura de fazer transações financeiras, tanto de uma conta-corrente, como também de uma poupança ou até conta de pagamento pré-paga. 

Outro fator relevante a respeito do Pix, é que com ele é possível aumentar consideravelmente a velocidade nos pagamentos e no envio de valores, sendo essa transação praticamente instantânea, sendo uma ótima ferramenta para a inclusão financeira de uma parcela da população que antes não tinha acesso a esse tipo de coisa.

A criação de uma chave no Pix é simples, fácil, rápida e qualquer transação realizada no sistema é totalmente acessível para todos, já que não há a cobrança de taxas.

Mas ainda existem muitas dúvidas sobre o funcionamento da ferramenta. Será possível transferir um montante para um usuário que não possui uma chave cadastrada no Pix? É isso que veremos abaixo!

Anúncios

Anúncios

Como funciona o Pix?

Em resumo, o Pix realiza transferências entre contas de diferentes instituições financeiras, de forma instantânea, a qualquer momento e sem cobranças.

Essas transações, segundo o Banco Central do Brasil, podem ser feitas:

  • Entre pessoas;
  • Entre pessoas e estabelecimentos comerciais;
  • Entre estabelecimentos;
  • Para entes governamentais, no caso de impostos e taxas.

Para realizar essas transferências, é preciso que o pagador e o recebedor tenham uma conta em um banco, instituição de pagamento ou fintech. E a conta não precisa necessariamente ser corrente.

É válido mencionar também que o Pix é gratuito para pessoas físicas, porém, também pode ter cobranças. Quando a pessoa escolhe fazer o Pix por meio físico ao invés do digital e também Pessoas Jurídicas que usarem o sistema.

Em alguns bancos e instituições financeiras, independente se você é pessoa física ou jurídica, o Pix continua sendo totalmente gratuito.

O que são as chaves do Pix?

Segundo o próprio Banco Central, as chaves do Pix são como apelidos, sendo usados para identificar a sua conta, representando o seu endereço Pix.

Podem ser adicionados quatro diferentes tipos de chaves Pix a uma conta: CPF/CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou até mesmo uma chave completamente aleatória.

Simplificando, a chave é a informação necessária para que alguém possa fazer um Pix a você. Ao contrário do que acontecia com o DOC e TED, onde a pessoa precisava do nome completo, CPF, agência e número de conta, com o Pix o usuário só precisa do seu “apelido” para transferir os valores.

O registro da chave do Pix não é devidamente obrigatório, entretanto é recomendado para melhores experiências. E é disso que falaremos a seguir.

É possível usar Pix sem ter registrado a chave Pix?

Bom, o Pix ainda é uma novidade para muitos, e por isso, dúvidas são completamente normais e realmente vão surgir.

Uma das mais frequentes diz respeito à necessidade de ter o registro da chave Pix para poder usar o sistema de pagamento, seja para receber ou então enviar dinheiro.

Na verdade, o Banco Central informou que mesmo as pessoas que não cadastraram a sua chave, podem utilizar a ferramenta sem maiores problemas. Entretanto, a diferença para esses casos é que o processo será um pouco mais trabalhoso.

Então, mesmo sem fazer o registro das chaves, posso transferir dinheiro pelo Pix?

Sim, até mesmo as pessoas que não cadastraram nenhuma chave (seja um apelido aleatório, e-mail, número do celular ou CPF) podem fazer uso do sistema. Nesse caso, você poderá operar normalmente usando os seus dados bancários.

Ou seja, você usa o Pix de forma muito similar ao modo como era feito o TED ou DOC, com o uso do nome completo, número de conta, agência, CPF e etc.

Porém, vale mencionar uma condição estipulada para fazer transações financeiras pelo PIX sem ter as chaves cadastradas. Para que isso possa ocorrer, é necessário que o seu banco opere diretamente pelo Pix.

Como fazer transações com o Pix?

Segundo as determinações estipuladas pelo Banco Central, foram regulamentadas algumas formas diferentes de se usar o Pix. São elas:

  • Informando uma chave registrada no Pix, que o usuário poderá adicionar a uma conta que já possui; essa chave pode ser o e-mail, CPF/CNPJ, número de  – sendo necessário informar apenas um destes.
  • Informando os dados bancários de quem vai receber o pagamento, como já fazíamos com o TED e DOC. Deve ser informado: nome completo, CPF, número da instituição, agência e conta;
  • Ou também através da leitura de QR Codes. 

QR Codes do Pix

Você sabe como funcionam as transações do Pix feitas com QR Code?

Essa função apresenta um código em forma de imagem, semelhante ao código de barras.

O  usuário ou estabelecimento que deverá receber o valor, apresenta o QR Code gerado pelo sistema e que pode ser lido por qualquer smartphone, realizando assim a transação.

Segundo o Banco Central, cada tipo de QR Code terá um uso distinto:

QR Code estático: poderá ser utilizado para múltiplas transações, permitindo que o usuário defina o valor a ser pago. Essa forma poderá ser utilizada para transferências entre duas pessoas, por exemplo.

QR Code dinâmico: esta forma é mais adequada para o pagamento de compras, pois com ela é possível apresentar informações diferentes em cada transação, permitindo a inclusão de dados adicionais sobre a transação.

Além disso, as chaves do Pix também poderão ser compartilhadas entre usuários através de um QR Code, gerado diretamente pelo app da instituição financeira em questão.

Entretanto, os detalhes de como cada cliente poderá gerar esses códigos ainda não foram definidos e dependem do prazo de implementação.  Sendo assim, vale a pena ficar atento a novidades.

 

Anúncios

Pablo Januario