Previdência Privada: como escolher? Confira dicas e sugestões!

Atualizado em 6 de maio de 2020

Já é um fato consumado a questão de que estamos e viveremos mais. O fenômeno do envelhecimento da população é está em pleno curso em todo o mundo e não está diretamente relacionado com o quanto um país é rico ou não. Uma boa notícia para nós, brasileiros, é o tal do “bônus demográfico” que tem aliviado um pouco esse processo.

O Brasil ainda é um país jovem, e locais assim passam por um momento de transição. Ou seja, nesse período, casais que trabalham passam a ter famílias menores, e como a população de idosos se manteve e a de crianças diminui, as pessoas conseguem ter mais acesso a recursos para investir, gerando maiores índices de crescimento

O problema desse bônus demográfico não se mantém ao longo do tempo, afinal, as taxas de natalidade não se estabilizam. Em síntese, a quantidade de idosos aumenta e pressiona muito as contas da previdência social.

É por isso que ter um fundo privada que lhe garanta uma vida confortável no futuro é de suma importância e realmente pode fazer uma grande diferença.

Vantagens da Previdência Privada

Já foi-se o tempo em que os planos de previdência privada se serviam das taxas para levar uma parte do valor dos aportes. A redução da taxa Selic também ajudou o setor a reavaliar os seus custos, e hoje temos uma nova realidade nesse meio. Contrariamente aos fundos de investimento, os planos de previdência não se encaixam no sistema de “come-cotas” onde os recursos passam por uma tributação nos meses de maio e novembro.

Porém, a melhor vantagem da previdência privada é o fato de que ela possui um detalhe que nenhum outro tipo de aplicação possui: os valores depositados dispensam inventário e podem ser distribuídos de forma rápida em caso de falecimento do seu titular.

Leia também:
Quero Bolsa 2018 - Bolsas de Estudo de Até 75%

previdencia privada

Banco ou seguradora?

Como qualquer outro fundo de investimento, a rentabilidade de um plano de previdência depende de onde o gestor estará investido, e por isso é importante confiar na trajetória da instituição escolhida. Para administrar recursos de uma aposentadoria, os bancos e seguradoras cobram uma taxa especial de administração mensal, inclusive, há aqueles que realizam a cobrança de uma taxa de carregamento, uma espécie de tíquete de entrada toda vez que você faz um aporte.

É de suma importância comparar as taxas de cada instituição, pois elas podem interferir na rentabilidade do plano.

Tributação regressiva ou progressiva ?

Diferente de outros títulos, os fundos de previdência permite a escolha de como pagar o IR. A Tributação Regressiva é indicada para quem acumula recursos durante um longo período, por mais de dez anos. Quanto mais tempo você permanecer no plano, menor será a alíquota do agora do resgate.

A alíquota inicial é de 35% para fundos acumulados por até dois anos, e pode chegar a apenas 10% após 10 anos de permanência. Já a tributação progressiva, é indicada para quem deseja usar os seus recursos logo, sem ter muita certeza sobre o planejamento. A tributação desse modelo acontece em duas etapas, onde na primeira é cobrada uma alíquota de 15% na fonte do IR.

Na segunda, a diferença entre o valor pago de imposto e o devido pode ser ajustada na declaração anual. Nisso, a regra é a mesma da Receita federal sobre salário, com alíquota que pode variar entre 0% e 27,5%.

Leo Caprara